como calcular o capital de giro como calcular o capital de giro

Como calcular o capital de giro em um negócio?

6 minutos para ler

Cuidar da saúde financeira de um negócio nem sempre é uma tarefa fácil. Ainda assim, prestar atenção aos gastos e ganhos é importantíssimo. Saber como calcular o capital de giro é um desses pontos fundamentais.

Você sabe como fazer isso com as finanças da sua empresa? É isso que você vai ver ao longo do post, em que explicamos quais são os riscos de não fazer essas contas e como implementar o conceito no seu negócio. Vamos lá?

Quais são os riscos de não calcular o capital de giro de maneira correta?

Você já deve ter ouvido falar sobre os fatores que compõem o capital de giro com os nomes “ativo circulante” e “passivo circulante”. O conceito é simples e diz respeito à diferença entre esses dois fatores, representados por quando sua empresa tem (ativo) e subtraindo o que ela deve (passivo).

O indicador ajuda na tomada de decisões por razões simples. Sabe quando você precisa fazer escolhas sobre administração de caixa, compras e vendas? Então, analisar o capital ajuda a deliberar de um jeito mais responsável.

A não administração do capital pode levar empresas à falência — assim como, endividamentos e gastos imprudentes. Isso porque o indicador cobre custos básicos, como compra de materiais e contas de luz.

Como calcular o capital de giro de maneira correta?

Lembra dos dois indicadores que citamos? A fórmula de cálculo leva em conta a diferença entre eles, sendo representada por CGL = AC – PC, em que CGL é o Capital de Giro líquido, AC é o Ativo Circulante e PC é o Passivo Circulante.

Entenda, a seguir, dicas importantes de como fazer o cálculo corretamente.

Mantenha o fluxo de caixa detalhado

Ativo circulante, capital de giro, fluxo de caixa. São tantos nomes que fica até confuso, não é? Ainda assim, o fluxo é um conceito bem simples e diz respeito às entradas e saídas de dinheiro.

Qual é a importância disso? De forma geral, revela pistas sobre a finalidade dos gastos. Se você já se perguntou quais são as fontes de receita mais promissoras ou quais são as despesas mais importantes, certamente sabe como o registro pode ajudar.

O fluxo de caixa ainda é útil na hora da precificação. Isso também se aplica aos descontos e às promoções, aproveitando as oportunidades do mercado para fechar um número ainda maior de vendas. 

Saiba quais são os recursos da empresa

Lucrar é uma das condições necessárias para que a empresa fique em atividade. Por meio desse dinheiro, você mantém o caixa em dia e ainda é recompensado. Entender quais são os recursos, nesse caso, é importante para administrar o capital de giro.

Como descobrir os lucros e os recursos? O primeiro passo é observar as fontes de receita. Você pode fazer uma lista, relacionando venda de recursos, taxa de assinatura, licenciamento, empréstimos, anúncios e por aí vai.

Para calcular o lucro, é preciso subtrair os custos dos produtos pela receita, ou seja, quanto você gasta por quanto você ganha. O resultado percentual é o lucro bruto. Para descobrir o valor líquido, você ainda precisa descontar as despesas (fixas e variáveis).

Conte com um bom planejamento

Se você já lidou com gastos inesperados na hora de administrar as finanças da empresa, deve ter percebido como o planejamento financeiro faz diferença. Isso porque você se prepara para diversos cenários e garante dinheiro para reinvestimento, expansão da marca e até para questões tributárias.

Por onde começar o planejamento? A resposta está nas metas. Você pode definir os próximos passos e mensurar o sucesso de acordo com o progresso e a resolução de cada ponto estipulado. 

Outro fator importante é o plano de ação. Se as metas são onde você quer chegar, o plano de ação define o caminho — ajudando a administrar o capital de giro e expondo os pontos fortes e fracos das finanças.

Entenda a diferença de capital de giro líquido e capital de giro próprio

O capital de giro ajuda a manter a produção funcionando em relação a aspectos como pagamentos e manutenção de estoque. Ainda assim, o conceito não diz respeito a uma coisa só e é importante entender as diferenças sobre cada tipo. 

Lembra do cálculo que citamos nos outros tópicos? Então, diz respeito ao capital de giro líquido. Não é sobre o valor disponível, mas o necessário para sanar todos os compromissos da empresa.

Se o dinheiro dispensa terceiros e faz parte dos recursos da própria empresa, é o capital de giro próprio. O cálculo é diferente do citado — aqui, a diferença que conta é a entre o patrimônio líquido e o ativo permanente.

Defina o tempo de duração do recurso

O tempo de duração do recurso ajuda a prevenir a insuficiência do capital de giro, administrando dívidas, fluxo de caixa, pagamento dos fornecedores, custos e por aí vai. A diminuição está ligada à redução das vendas, ao crescimento das despesas e ao aumento da inadimplência. Como dimensionar isso?

Uma das formas é por meio dos ciclos financeiros, definindo o tempo necessário para produzir, distribuir e vender. O cálculo é feito somando os prazos médios de recebimento e estocagem e subtraindo o resultado pelo prazo médio de pagamento.

O indicador revela vários pontos sobre o capital de giro. Estoques altos, por exemplo, podem sugerir redução dos preços, assim como ciclos pequenos indicam poder de negociação maior e mais margem de segurança para o caixa.

Calcule o capital inicial

Se você está dando os primeiros passos na empresa, o capital de giro inicial dificilmente vai ser pago com as vendas. Isso significa que você vai precisar desembolsar o suficiente para manter a empresa funcionando nos primeiros meses, sem depender necessariamente do faturamento.

O capital de giro ajuda a cuidar da saúde financeira da empresa, criar consciência dos gastos e ainda evita endividamentos. Embora exija atenção em aspectos como fluxo de caixa, recursos e planejamento, a forma de calcular é simples e dispensa grandes conhecimentos matemáticos.

Não se esqueça de que não existe regra que defina os valores ideais para o indicador. Em ciclos financeiros mais curtos, por exemplo, a necessidade de capital diminui. Quando a empresa se expande, por sua vez, o volume precisa ser maior.

E você? Ficou com dúvida sobre como calcular o capital de giro? Então, não deixe de compartilhar com a gente mais sobre a sua empresa nos comentários!

Posts relacionados

Deixe um comentário